Direto de Novo Mundo: Dom Pedro declara a independência do Brasil

Assim, o príncipe e Leopoldina são proclamados imperadores do país

Blog do Jorge Brasil

Caio Castro se emocionou muito ao gravar esta cena emblemática | <i>Crédito: Divulgação
Caio Castro se emocionou muito ao gravar esta cena emblemática | Crédito: Divulgação

Como princesa regente do Brasil, Leopoldina (Letícia Colin) diz a Bonifácio (Felipe Camargo) que está na hora de o Brasil se tornar independente de Portugal. Só que Dom Pedro (Caio Castro) está em São Paulo apaziguando os rebeldes, onde tem uma recaída e reata com amante, Domitila (Agatha Moreira). Ele não retorna à corte e Joaquim (Chay Suede) leva ao príncipe a carta de Leopoldina com suas impressões sobre o atual momento político no país. Joaquim comunica a Pedro que Portugal decidiu atacar: "Chegou um navio de Portugal, o Três Corações. E mais: seus ministros serão destituídos e outros serão nomeados por Lisboa, para onde o governo do Brasil vai ser transferido. José Bonifácio será preso por ter participado da convocação dos representantes das províncias. Isto é a dissolução do Reino do Brasil! Tiraram o poder do príncipe, de José Bonifácio e dos governos provinciais." Pedro, então, lê a mensagem da esposa: "O Brasil será em vossas mãos um grande país. O Brasil vos quer para seu monarca. Com vosso apoio ele fará sua separação."

As sugestões dela provam o quanto Leopoldina era à frente de seu tempo e superior às amantes de seu marido. Dom Pedro, então, decide que chegou a hora de o Brasil se separar de Portugal. Ao lado de Chalaça (Romulo Estrela) e Joaquim, ele segue para as margens do rio Ipiranga e proclama: "De hoje em diante estão quebradas as nossas relações; nada mais quero do governo português e proclamo o Brasil para sempre separado de Portugal! Brasileiros, a nossa divisa de hoje em diante será: Independência ou Morte!", recebendo o aplauso do povo aos imperadores. 

A cena foi gravada em uma fazenda em Itaguaí, no Rio, e reuniu 160 pessoas, entre equipe e figuração, além de 23 mulas, sete cavalos, 20 armas longas, 10 espadas e 80 figurinos de escravos, índios, fazendeiros, homens do campo e militares. A emoção tomou conta de todos e levou Caio  às lágrimas. “Eu sabia que esse dia seria o ponto maior da novela. Esperei por hoje como se fosse um filho que está para nascer — compara Caio Castro: — Sempre tive o receio de não poder cumprir com o que era esperado. Depositaram muita confiança em mim. Senti isso desde o começo e preferi usar esse medo para servir como busca ao Dom Pedro que estavam esperando. Fui gravar pensando em como poderia representar o povo brasileiro. Queria sentir o que foi para Dom Pedro estar diante de uma nação que, a partir daquele momento, não era mais dependente de ninguém. Eu me emocionei muito!”, contou ele ao jornal Extra.

07/09/2017 - 16:15

Conecte-se

Revista Minha Novela