Emilly Araújo: a vitória do coração

Aos 20 anos, Emilly fala sobre a surpresa de vencer o BBB17

Texto: Fernanda Chaves

Emilly Araújo | <i>Crédito: Divulgação/Globo
Emilly Araújo | Crédito: Divulgação/Globo
Em êxtase! Essa é a expressão que melhor define a alegria de Emilly Araújo, após vencer o Big Brother Brasil 17, na quinta 13, com 58% dos 142 milhões de votos. “Não acredito nisso tudo que está acontecendo, é surreal. Sempre desejei em estar aqui, sempre sonhei com tudo isso, mas está muito melhor. Só quero agradecer a todas essas pessoas que gostaram de mim”, vibra a gauchinha, de 20 anos.

Mas, se foi muito querida por uns, a jovem também teve muitos desafetos. Após o encerramento do programa, poucos colegas de confinamento - como Elis e Rômulo - foram cumprimentá-la por sua vitória. Mas isso não abala a campeã. “Não tenho nada contra ninguém. Inclusive, minha amizade com a Roberta foi verdadeira. Eu realmente gostava dela e se ela retribuísse, teria o maior prazer em manter a nossa amizade”, admite.

Amada e odiada na mesma proporção, Emilly garante que fez tudo o que quis no BBB17. “Fui eu mesma: mocinha e vilã. Não sou só uma coisa. Ser uma coisa só é muito chato. Sou tudo o que quero e faço tudo o que me dá vontade”, confessa. Mas, apesar de ter se jogado de cabe- ça no reality show, Emilly tem apenas um arrependimento: “Eu queria ter escutado mais as pessoas. Não que tivesse que acatar tudo o que me falassem, mas eu queria ter estado mais aberta para as pessoas na hora de conversar”, pondera. 

Autoestima incrível
Uma característica que chamou bastante atenção do público foi o ego da jovem. Emilly se diverte com isso e explica a razão para se amar tanto. “Não é estrelismo, é que as pessoas sempre falavam mal de mim: que eu era magricela, cabeçuda, então, sempre me autoelogiei. Me coloco lá pra cima. Não é porque eu me acho, é que prefiro me sentir bem a ficar procurando defeito em mim mesma”, conta.

Hora de se reerguer  
Entre o Natal e a virada do ano passado, a jovem perdeu a mãe, Marisa de Araújo Corrêa, após complicações no pulmão. Duas semanas depois, ela e a irmã gê- mea, Mayla, entraram na casa do BBB17. “A nossa ficha ainda não caiu. Nem agora e muito menos antes. E, pra mim, minha mãe está aqui ainda. Prefiro acreditar nisso. Acho que ela me deu garra para conseguir suportar tudo o que enfrentei no BBB. Tenho as melhores lembranças da minha mãe e isso me fortaleceu o programa inteiro”, afirma a jovem, que não sabe o teria feito caso não tivesse surgido o BBB na sua vida: “Se eu tivesse ficado em casa, talvez, nem estivesse aqui, porque pensei em fazer loucuras. Aí apareceu essa grande chance e sei que tem muito dela nisso. Minha mãe é a responsável por tudo isso. Lá do céu, ela fez todas essas coisas acontecerem.” 

Destino do Mally
Minutos após o fim do programa e bombardeada de informações, Emilly escutou os conselhos de Mayla e não procurou o abraço de Marcos Harter, seu par romântico no BBB. Mas ela não esconde que o cirurgião plástico ainda mexe com ela. “Eu não queria um relacionamento lá dentro. Mas acabei me apaixonando por ele de verdade e me entreguei 100%”, revela. “Sempre imaginei uma rela- ção aqui fora com o Marcos. Falei isso pra ele várias vezes. Mas não via a mesma determinação nele e, talvez, eu tenha fantasiado isso”, supõe. Mas, na manhã da sexta 14, Emilly foi ao Mais Você e admitiu a Ana Maria Braga que quer conversar com ele. “Nem que seja para por um ponto final”, conclui a nova milionária do Brasil.

28/04/2017 - 10:51

Conecte-se

Revista Minha Novela