Emanuelle Araújo conta como se desdobra entre a carreira de cantora e a de atriz

No ar em 'A Lei do Amor', a estrela acaba de lançar seu primeiro CD solo

Texto: Jaquelini Cornachioni

Emanuelle Araújo | <i>Crédito: JOÃO MIGUEL JÚNIOR / REDE GLOBO
Emanuelle Araújo | Crédito: JOÃO MIGUEL JÚNIOR / REDE GLOBO
Não dá para negar que Emanuelle Araújo é multitalentosa. Além de atriz, a morena é cantora e lançou, recentemente, seu primeiro disco solo, O Problema é a Velocidade, que foi eleito o melhor CD de Música Brasileira de 2016, segundo o Portal UOL. Aos 40 anos, a baiana está no ar na novela A Lei do Amor, interpretando a personagem Yara, com quem Emanuelle confessa se identificar. “Ela é forte, sensível, simples e não se apega aos bens materiais. É importante cultivar o desapego”, comenta a estrela, que se se define como uma mulher mística, sensorial e profundamente amorosa. “O amor é um sentimento tão bom e livre. A novela fala sobre o amor de todas as formas, no sentido mais amplo. Não é só o amor entre casais”, relata. 

O público está sendo muito solidário ao drama de Yara, com a traição do marido, Misael (Tuca Andrada), e a fuga da filha, Aline (Arianne Botelho), não é? 
Ela conversa muito com a rotina e a realidade da mulher brasileira. Yara é mãe de três filhos e batalha bastante. Ao mesmo tempo, é moderna. E ainda é uma amiga exemplar, fiel. E isso é muito lindo. 

Além de atriz, você é cantora. Como é conciliar tudo isso? 
É trabalhoso, mas vale a pena. Estou fazendo shows de lançamento do meu primeiro CD solo, O Problema é a Velocidade. Na verdade, eu nunca paro de cantar. Eu canto para me sentir feliz, é isso que me deixa zen. Gosto de ficar sempre muito ativa. 

Você tem uma longa e eclética trajetória musical. Foi até vocalista da banda Eva... 
Sim, e é por isso que as pessoas costumam me relacionar muito como uma cantora de festa. Mas o disco O Problema é a Velocidade é de MPB, com vários estilos musicais misturados, algo mais de intérprete e artesanal. É um trabalho que estava na minha cabeça há muito tempo e agora, finalmente, “nasceu”. 

Em suas redes sociais, você costuma falar muito sobre o amor. Pensa em se casar de novo? 
Eu já me casei, separei, casei de novo e assim vai (risos). Sinceramente, eu estou bem assim. E não é porque me separei várias vezes que não acredito no amor. O amor é a coisa mais maravilhosa do mundo, temos que acreditar nele, sempre. As camadas do amor são as oportunidades que o coração dá pra gente.

Você está na novela certa então, afinal, A Lei do Amor, é basicamente sobre esse sentimento. 
É verdade. E a trama fala sobre o amor de todas as formas, no sentido mais amplo que você pode imaginar. Não é só o amor entre casais. 

E por falar em amor... Sua filha, Bruna, iniciou a carreira musical? Foi influência sua? 
A Bruna é uma menina de personalidade forte, independente. Saiu cedo de casa e agora, aos 22 anos, é senhora do seu destino. Acho que posso ter influenciado, mas não de uma maneira direta. 

A expectativa agora é com o lançamento do filme Bingo: O Rei das Manhãs (em agosto), no qual você interpreta a Gretchen. Como se preparou para esse papel? 
É um desafio interpretar um ícone feminino como a Gretchen. Fiz um estudo intenso e chamei uma preparadora corporal para me ajudar. A Gretchen criou movimentos de dança que só ela consegue fazer. Tentei copiar tudo com o maior respeito e fidelidade possível. Foi uma delícia!

22/02/2017 - 13:23

Conecte-se

Revista Minha Novela