Marcos Caruso fala sobre seu personagem em 'Pega Pega'

O ator brinca que, mesmo falido, seu personagem Pedrinho se envolve com as três damas mais interessantes da novela: Irene Ravache, Ângela Vieira e Elizabeth Savalla

Texto: Carlos Ramos

O ator em cena da trama das 7 com o fiel Nelito, papel de Rodrigo Fagundes | <i>Crédito: JOÃO COTTA / REDE GLOBO
O ator em cena da trama das 7 com o fiel Nelito, papel de Rodrigo Fagundes | Crédito: JOÃO COTTA / REDE GLOBO
Marcos Caruso tem duas opiniões sobre Pedrinho, seu personagem em Pega Pega, das quais fica difícil de discordar. A primeira refere- se ao tipo de empresário que comandava o Carioca Palace. “É um homem que viveu todo o glamour, a sofisticação dos anos 1950, 1960 e 1970. É uma vida parecida com a que o Jorginho Guinle (1916/2004. Ex-proprietário do Copacabana Palace, no Rio) levava. Aliás, acho que foi a vida de todos os donos dos grandes hotéis do mundo”, conta. A segunda, é uma comparação com o seu maior sucesso na TV, o Leleco, de Avenida Brasil (2012). “O Leleco só pode ser um parente distante do Pedrinho, que é o primo rico do pai do Tufão (Murilo Benício)”, comenta, às gargalhadas.

Seu personagem seria uma versão do Jorginho Guinle, playboy que perdeu sua fortuna? 
Poderia sim. Pedrinho teve um hotel e, como no caso dele (Jorginho Guinle), perdeu tudo. Mas não é inspirado nele. A novela deixou a história real pra trás logo no início, porque perdi o estabelecimento no terceiro capítulo. Vendi o hotel e a grana foi roubada. 

Mas Pedrinho não perdeu a pose! 
Exato! Continua vivendo de glamour, uma sofisticação que não tem como manter.

Enquanto tinha dinheiro era um playboy, um bon vivant. Ele não se preocupou com o futuro? 
Pedrinho nunca se preocupou com dinheiro, que dirá com o futuro! Pra que economizar se sempre teve as mulheres mais lindas, as melhores comidas, bebidas e viagens? Ele conhece o mundo inteiro e aproveitou muito bem a vida. 

O lado mulherengo do personagem é coisa do passado? 
Ele tem um envolvimento amoroso com três mulheres. É quase um quadrado amoroso. Tem um passado com a Lígia (Ângela Vieira), a esposa do melhor amigo dele, o Athaíde (Reginaldo Faria), um passado loucamente apaixonado e erótico com a Sabine (Irene Ravache) e vai ter um futuro com a Arlete (Elizabeth Savalla). Estou muito bem servido de mulheres (risos). É bom para provar que pegador não tem idade. O nome da novela, Pega Pega, também serve pra isso, não apenas para roubar (risos). 

E ainda tem o Nelito (risos)... 
É o fiel mordomo particular dele. Apenas isso (risos). O Nelito não se conforma porque o patrão perdeu tudo o que tinha e continua mantendo o Pedrinho numa ilusão de que ele ainda tem dinheiro. No final, levou até o Pedrinho para morar na casa dele. 

É apenas uma relação de afeto que surgiu entre os dois ou tem alguma coisa a mais nisso aí? 
Não tem mais nada (risos). O Nelito é absolutamente fiel a este homem e o Pedrinho tem por ele um carinho muito grande. Um amor de pai para filho. Não existe mais nada entre os dois. Nem da parte do Nelito e muito menos da parte do Pedrinho. Garanto (risos). 

Pedrinho se adapta bem à nova vida ou vai continuar sem noção? 
Se adapta à medida que continua vivendo naquele mundo. Não pode faltar os ovos beneditinos no café da manhã, os charutos dele, o champanhe. E o Nelito mantém isso. É muito bonita essa relação. E há outras maneiras que o Nelito consegue manter esse padrão do Pedrinho que, à medida que a novela for andando, todo mundo vê que não é nada correto. Mas isso faz parte do show dele.

07/08/2017 - 09:56

Conecte-se

Revista Minha Novela