Nicolas Prattes fala sobre a carreira: “Não quero correr o risco de me acomodar!”

O ator que interpreta o Zac de 'Rock Story', enfatiza sua paixão pela música e revela que não pretende tirar férias tão cedo

Texto: Thomaz Rocha

Nicolas Prattes | <i>Crédito: COTTA / REDE GLOBO
Nicolas Prattes | Crédito: COTTA / REDE GLOBO
O universo musical enche os olhos de Nicolas Prattes, o intérprete de Zac, guitarrista da banda 4.4, de Rock Story. O ator leva para a trama das 7 toda a experiência que ganhou em Malhação – Seu Lugar no Mundo, na qual interpretou Rodrigo, o baixista do grupo Curto Circuito. Para a atual novela, Nicolas se dedica diariamente aos treinos de canto, instrumentos e dança. “Nossos ensaios estão muito intensos. A gente se entrega demais. O maior desafio é tornar verdadeiro o sucesso que a 4.4 faz na ficção. Estamos nos divertindo muito. Acredito que estar feliz no trabalho é o segredo para o sucesso. Isso acaba contagiando o público. A música é a base que reuniu pai e filho e mudou a vida do Zac”, revela o carioca, fã confesso de Red Hot Chili Peppers, Guns N’ Roses, Legião Urbana e Skank.

Sem pisar no freio 
E o trabalho é, definitivamente, o foco de Nicolas. O rapaz nem tinha acabado de gravar Malhação e já começou a elaborar o Zac, depois de fazer dois testes para ser aprovado na trama das 7 . “Eu conciliava as gravações finais de Malhação com o processo de preparação de elenco da novela. Eu estava construindo Zacarias, vivendo o Rodrigo. Foi muito intenso, mas amei fazer. O bom é que estou num embalo só, não quero descansar, porque posso correr o risco de me acomodar”, explica o gato, que, com a solteirice, pode ter todo o tempo do mundo para se dedicar ao trabalho.

Nova visão de mundo 
A infância e a adolescência complicada de Zac é um ponto distante da vida de seu intérprete. Segundo Nicolas, está sendo desafiador interpretar um personagem como Zac. “Ele é muito diferente de mim. No início da novela, ele era de uma classe social carente e não tinha estrutura familiar. Eu sempre tive a minha mãe e o meu pai na minha vida, nunca passei fome e sempre tive uma caminha quentinha. Por outro lado, fui um menino que se misturava com todo mundo, então, sempre tive referências de pessoas como o Zac”, conta Nicolas, que procurou conhecer melhor as raízes do Zac, fazendo laboratório no bairro de Cordovil (Rio de Janeiro). “Eu nem sabia que existia esse bairro na vida real. Fui lá e passei uma tarde inteira. Percebi outra realidade. Mudou muito o meu modo de ver o mundo. Tinha muita alegria nas pessoas, mesmo vivendo num lugar carente. Fazer o Zac está me fazendo não reclamar de muita coisa que antes me queixava no dia a dia. Via os meninos jogando bola descalços na rua, sorridentes, e pensava que, muitas vezes, reclamamos por comer algo que não gostamos, e esses meninos felizes, nem sempre têm o que jantar”, desabafa.

Parceria das boas 
Em Rock Story, depois que Zac foi morar com o pai, o roqueiro Gui (Vladimir Brichta), sua vida mudou. A relação entre os dois se transformou em uma linda parceria. União essa que também rende, fora das telas, uma troca bacana entre Nicolas e Vladimir. “Está sendo muito rico para mim. Vladimir é superaberto e acolhedor. Me enche de dicas. O que mais faço é sugar tudo o que eu posso do que ele tem para me ensinar”, agradece o rapaz, que prefere não usar o rótulo de galã para definir Vladimir e a ele próprio. “Para nós, atores, o estereótipo é algo que limita muito. Procuro não me prender a isso. O problema é deixar mexer com o ego. Nesses casos, se você acredita que é o galã, passam a achar que você só pode fazer esse tipo de personagem. E eu sou capaz de fazer os mais diversos papéis possíveis”, garante o ator.

Amor às fãs 
Aos 19 anos, Nicolas desponta como uma grande promessa da Rede Globo. Centrado, ele mantém os pés no chão em relação a seu futuro. “Tenho em mente que posso ser esquecido se não fizer o meu trabalho direito”, afirma o jovem, que declara todo o seu amor por seus fãs, a quem dá muita atenção, sempre que é possível. “Respondo a todas, principalmente, pelas redes sociais. Algumas meninas, já fizeram loucuras, inclusive, tatuaram o meu sobrenome. Nunca sofri nenhum desrespeito por parte delas. Pelo contrário: já fizeram festa pra mim, com direito a salgadinho e chocolates”, conclui Nicolas, que jura de pé junto nunca ter se relacionado com uma fã.

17/02/2017 - 14:30

Conecte-se

Revista Minha Novela